11 perguntas para fazer na primeira reunião com o franqueador

0

Quem já abriu uma franquia sabe: muitas dúvidas surgem na hora de escolher a melhor rede para investir. Será que o negócio vai dar certo? Esta rede é a melhor opção para mim? Terei o melhor suporte para conseguir crescer? Luis Stockler, consultor da BaStockler, especializada em franquias, e Roberto Vautier, especialista em varejo da AGR Consultores, elaboraram uma lista com 11 perguntas a serem feitas na primeira reunião com o franqueador. Veja, a seguir:

perguntas consultores - texto 11 perguntas para fazer na primeira reunião com o franqueador
Luis Stockler, consultor da BaStockler e Roberto Vautier, especialista em varejo da AGR Consultores.

1 – Quanto tempo a rede está no mercado?

Quanto mais antiga, mais segura. O tempo demonstra que o modelo de negócios já passou pelo processo de maturação e testou o desempenho de seu produto ou serviço durante todos os diferentes períodos de um ano. A empresa deve testar o negócio ao menos durante dois anos antes de começar a vender franquias.

 

2 – A rede tem metas e um plano de ação consolidado?

É importante fazer esta análise para avaliar se a empresa pretende se perpetuar no mercado ou apenas seguir um modismo. As paleterias mexicanas, por exemplo, não demonstravam um plano de ação que visava o longo prazo. Já as redes que atuam com reparo de jeans ou pequenos consertos, pegaram carona na crise financeira, na qual as pessoas começaram a optar por restaurar a roupa em vez de comprar, e trouxeram uma tendência mundial, que é o consumo consciente.

 

3 – Qual o critério para a seleção de um franqueado?

Se o franqueador disser que não tem um perfil específico e que não é feita nenhuma avaliação, é melhor ficar alerta. Isso pode demonstrar que a rede só está preocupada em vender lojas.

 

4 – Quantas lojas foram fechadas desde que a rede entrou no mercado?

A lei obriga que o franqueador informe quantas unidades foram fechadas nos últimos 12 meses. No entanto, vale perguntar quantas foram fechadas desde a sua criação. É uma forma de medir onde e quando foi que a empresa errou durante o processo de criação. Pode ter sido ao selecionar franqueados, por não ter sido muito criteriosa, ou na estruturação da rede, por falta de uma boa análise de mercado ou de região, por exemplo.

 

5 – Quantas unidades para repasse a rede tem atualmente?

Se o índice for alto, o candidato deve ficar atento. Afinal, por que há muitos franqueados interessados em repassar loja? É preciso ouvir o que o franqueador tem a dizer sobre o caso e confirmar a informação com os empresários que estão vendendo as suas unidades. Há, claro, casos que não são preocupantes. Se o empresário vai mudar de cidade ou de Estado e quer repassar a loja, por exemplo, demonstra que não há nada de errado com a rede. É preciso, porém, investigar.

 

6 – Como foi feita a expansão da rede?

Deve-se avaliar os aspectos qualitativos da operação. Não basta apenas saber quantidade de franquias abertas. É preciso verificar se a expansão foi organizada e ordenada. A rede iniciou o crescimento a partir de um eixo logístico ou as franquias foram comercializadas de forma aleatória, com o intuito apenas de vender lojas? Foi feito um estudo para saber a melhor forma de distribuição para as lojas mais distantes? São questões que podem revelar informações importantes.

 

7 – Há franqueados com mais de uma unidade?

Se a franquia tem franqueados com duas, três, quatro ou cinco unidades, isso ajuda a demonstrar que a rede é sólida, um a vez que um empresário não vai continuar investindo em um negócio que não gera lucro.

 

8- Quais foram os maiores cases de sucesso e insucesso da rede?

Um case de sucesso ajuda a avaliar o suporte dado pela rede e sua estratégia de crescimento. Já o de insucesso, pode revelar possíveis falhas. Foi um problema de operação que não deu certo? Se sim, ele foi corrigido? Se o franqueador não quiser responder, é melhor ligar o sinal de alerta.

 

9 – Terei exclusividade na região que desejo atuar?

É preciso ter este cuidado para não se prejudicar – e nem os demais franqueados que já estão na rede. Se uma loja é aberta num shopping e outra começa a oferecer o mesmo serviço na rua de trás, por exemplo, obviamente a primeira perderá o cliente que não quer entrar no shopping. Se o franqueador não responder a essa pergunta, vale a pena fazer um trabalho investigativo e verificar a distância entre as lojas que já estão abertas.

 

10 – Qual o diferencial que a empresa oferece para o franqueado?

Hoje, há diversas franquias de um mesmo setor no mercado. O que a rede pode te oferecer de diferente das demais? Há franquias, por exemplo, que oferecem diversos formatos de atuação: loja em shopping, de rua, atuação em casa, entre outras.

 

11 – Quanto tempo de casa tem os funcionários da franqueadora?

Se boa parte dos funcionários estão na rede desde a sua criação ou já atuam há bastante tempo no mercado de franchising, isso demonstra que a rede conta com o trabalho de pessoas experientes, que darão um bom suporte para o empresário começar o seu negócio.

 

Não deixe de levar as perguntas com você. E se quiser se preparar ainda mais para este encontro, confira como analisar uma franquia antes de investir.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here