É hora de escolher o ponto? Conheça as melhoras práticas para franqueados

0
Como escolher o melhor ponto comercial para sua franquia (Foto: montagem da equipe/ Shutterstock-Pixabay)
Como escolher o melhor ponto comercial para sua franquia (Foto: montagem da equipe/ Shutterstock-Pixabay)

A escolha do ponto comercial é uma das principais etapas pela qual o candidato a franqueado precisa passar. Independentemente do segmento do franchising, a boa localização da unidade vai contribuir diretamente para o sucesso e sustentabilidade do negócio. E, apesar de muitas franqueadoras auxiliarem nessa busca, a responsabilidade final pela escolha do ponto é sempre do próprio franqueado.

Antes de assinar qualquer contrato, o franqueado precisa consultar um advogado para verificar todas as condições e obrigações do locatário. “Não tenha pressa, nem escolha o primeiro ponto que aparecer”, recomenda o sócio diretor da GS&BGH Marcos Hirai. Segundo ele, muitas vezes, na ansiedade, o franqueado acaba optando pelo primeiro ponto que aparece. “É sempre bom ter paciência e buscar no mínimo três opções”, ressalta.

De acordo com a diretora de Microfranquias da ABF – Associação Brasileira de Franchising, Adriana Auriemo, esse tempo gasto na escolha do ponto, na verdade, é um investimento extremamente necessário. “Melhor investir mais tempo na escolha do que optar por um ponto ruim”, avisa. Ela reforça que estar bem localizado é essencial.

Adriana recomenda ainda que a primeira conversa sobre ponto comercial seja feita com a franqueadora. A dona da marca, por meio do material de análise de ponto, dará todo o norte para o empreendedor poder buscar uma localização mais adequada para implantar a sua unidade.

O ponto inicial

E o que perguntar para a franqueadora? “Qual é o público-alvo da franquia, para qual nível econômico, se é voltada para o público masculino ou feminino, se o negócio precisa de muito ou pouco fluxo de pessoas, se as compras são ou não por impulso”, ressalta Adriana. Sem esses dados, fica difícil encontrar locais que atendam ao público da franquia.

Outra questão a ser levantada, segundo Adriana, é quanto à relação ponto comercial versus contrato de franquia. Em algumas redes, nem sempre é permitida a troca de local. “Nesses casos, o franqueado terá de manter sua unidade no mesmo ponto comercial até o final do contrato”, adverte.

Se a ideia é montar uma franquia em algum shopping center, o candidato deve buscar informações detalhadas junto à administradora do centro de compras. “Negociar com shopping center nem sempre é uma questão de preço de aluguel”, avisa Adriana. É preciso saber se aquela determinada marca, produto ou serviço faz parte do mix do shopping. “Às vezes a pessoa quer abrir uma cafeteria, mas não tem mais espaço para esse tipo de negócio no shopping.”

Questões de aluguel

Quando se busca um ponto comercial, além de saber o fluxo de pessoas e o poder aquisitivo do público, entre outras informações, é preciso encontrar um valor de aluguel compatível com a projeção de faturamento estimado para o ponto. E, no mundo das franquias, essa variável é fundamental.

“Geralmente, as franqueadoras pedem para o franqueado fazer uma contagem de fluxo no local de interesse em dias e horários diferentes”, explica a diretora da ABF. Segundo ela, com essas informações, a dona da marca avalia o quanto aquele ponto pode ou não faturar e qual é o aluguel máximo que o franqueado deve comprometer sem prejudicar a margem. “Cada negócio tem o percentual máximo destinado ao aluguel.”

No caso de pontos de rua, Adriana sugere ainda muita atenção para alguns aspectos. “Prazo do contrato de aluguel, renovação, valor para adaptar a estrutura ao seu negócio”, afirma. Isso vai impactar no custo inicial para ingressar na franquia. “Se a pessoa pegar uma loja montada, vai gastar bem menos. Se tiver de fazer reformas, o custo vai ser maior”, enfatiza.

Em shopping centers merece atenção, além do aluguel, as condições e o prazo do contrato, valor do condomínio, se são cobradas e os valores de eventuais luvas pela cessão do espaço e o que precisa ser adaptado no espaço, e quanto eventuais reformas podem custar.

Atenção aos arredores

Conversar com os vizinhos também é uma parte muito importante na definição de local. É preciso descobrir o quanto os vizinhos estão vendendo e as eventuais sazonalidades de determinado local de rua ou de shopping. Se existem momentos de pico de venda naquele local e quando ocorrem são algumas dicas de informações a levantar.

A concorrência no shopping ou nos arredores do ponto de rua também deve ser monitorada. Aqui vale até tentar tirar algum tipo de informação com os funcionários sobre vendas e preços. Observar se o público sai ou não com sacolas de compras, principalmente em shopping centers, ajuda a avaliar se o ponto é ou não adequado.

A diretora da ABF diz que com o cliente, é mais complicado o franqueado tentar tirar informações confiáveis.  “Pesquisa com cliente precisa ter um volume maior de respostas para ter um resultado mais real”, observa Adriana. “Não adianta conversar somente com três ou quatro pessoas.”

Roteiro

Embora as questões a levantar sobre o ponto dependam muito do tipo do negócio, a seguir, algumas perguntas gerais a fazer na hora de escolher um ponto. Segundo os especialistas, é importante ficar atento a todas as respostas que forem incompatíveis com a necessidade do negócio.

Franqueadora

  • Quem é o público-alvo da franquia?
  • Quais as áreas disponíveis para buscar pontos?
  • Qual a área de abrangência do franqueado dentro da região?
  • O que acontece se for preciso mudar de local?
  • Há material de análise de ponto?

 Vizinhos

  • Como estão o fluxo de pessoas e o volume de vendas?
  • Existe algum tipo de sazonalidade?
  • Há alguma peculiaridade no local?

 Pontos em shopping

  • A marca é aceita no shopping?
  • Quais são o prazo e as condições de contrato?
  • Quais são os valores de aluguel e de condomínio?
  • Há luvas e taxas pela cessão do espaço?
  • O que é preciso fazer e o quanto será gasto com adequações e reformas?

Pontos de rua

  • Quais as licenças e alvarás de funcionamento para a região?
  • Quais os prazos e condições de contrato?
  • Qual o valor de aluguel?

Cliente

  • Em que dias e horários frequenta?
  • Conhece, compraria ou usaria determinado serviço ou produto?
  • Onde costuma comprar ou usar determinado produto ou serviço?
  • Qual valor estaria disposto a pagar por serviços e produtos?

Agora que você já sabe que perguntas fazer para escolher seu ponto comercial, que tal saber um pouco mais sobre o assunto e entender se vale a pena ser dono do próprio ponto comercial? Leia o artigo Ser dono do ponto comercial é um bom negócio?

 



DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.