Valuation: Você sabe quanto vale a sua franquia?

0
Valuation: Quanto vale sua franquia (Foto: Shutterstock)
Valuation: Quanto vale sua franquia (Foto: Shutterstock)

Razões não faltam para que um franqueado queira saber o valor do seu negócio. Pode estar movido pela intenção de vender ou, ao contrário, comprar a cota de um sócio; talvez busque investidores para uma sonhada expansão. Independentemente da motivação, o fato é que tomar pé da situação da empresa, bem como seu valuation e seu posicionamento no mercado, é fundamental.

Saber apenas do lucro, mas não ter um fluxo de caixa positivo ou devidamente coberto por financiamentos de capital de giro com custo financeiro viável, pode implicar em dificuldades financeiras com grandes chances de quebrar a franquia. “Se você controla quanto dinheiro tem no banco, mas não sabe qual é a lucratividade da sua empresa, pode achar que tem dinheiro e, na verdade, está perdendo ao longo do tempo, por outro lado, se você controla sua lucratividade, mas não cuida do fluxo de caixa operacional, você pode cair numa armadilha financeira e corroer a lucratividade com despesas financeiras”, afirma Rodrigo Wertz, diretor executivo da Excelia Gestão e Negócios.

Por onde começar e como obter o resultado é uma dúvida de muitos empreendedores. A equação envolve muitos fatores como a marca, o ponto comercial, a gestão, o DRE (demonstração do resultado do exercício), a demonstração do fluxo de caixa, a percepção de mercado. Seria complicado fazer uma avaliação correta sem um respaldo científico. Por isso surgiram metodologias de Economic Valuation (Avaliação Econômica).

 Quanto mais estruturada em termos contábeis estiver uma empresa, e isso se aplica também a franquias, mais fácil será fazer um Valuation.  Carlos Sadaki, diretor financeiro da Associação Brasileira de Franchising (ABF), recomenda que o retrato obtido com o Valuation seja feito a cada três ou quatro anos — que corresponde ao tempo médio do retorno do capital de investimento inicial — para ver se realmente o negócio tem ganhado valor no mercado.

“Costumo dizer para os nossos associados que o negócio vale quanto pagam. Por isso, ao fazer o cálculo, é importante pedir uma terceira opinião para que o empresário não coloque na balança aquela dose de emoção, que tende a supervalorizar o negócio”.

As metodologias

O Valuation oferece 2 principais metodologias — Fluxo de Caixa Descontado e Múltiplos de Ebitda (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização). Há também a metodologia de Valor Patrimonial Contábil, que observamos que não reflete corretamente o valor do negócio. Sendo assim, vamos conhecer um pouco mais sobre cada método:

Múltiplos de Ebitda

Esta é a metodologia mais rápida e de interpretação simples. É indicada pelos especialistas para franquias cujo nicho de atuação já é consolidado e tem diversas referências de valores. “É a que mais aconselhamos aos nossos franqueados”, diz Carlos Sadaki. “Geralmente toma-se o Ebitda anual por segmento ou indústria para fazer a análise comparativa. No caso dos negócios menores, a gente recorre a uma pesquisa do mercado nacional ou números de outros negócios, já que não há referências tão consolidadas”.

Os consultores aconselham que o Valuation seja feito por um profissional ou empresa especializada. Mas, para dar uma ideia de como funciona o cálculo, acompanhe a sequência, a seguir.

A variável mais frequentemente utilizada no Brasil para calcular os múltiplos é o Ebitda, que representa o potencial de geração de caixa da operação. Para calcular o valor do múltiplo, utiliza-se a seguinte fórmula:

“Fazer essa conta significa estimar quanto o negócio vale em relação ao potencial de geração de caixa da operação. A medida é adequada principalmente quando a empresa não tem uma elevada necessidade de capital de giro, ou quando não está em fase de crescimento acelerado”, diz Marcos Piellusch, professor do MBA em Gestão de Franquias da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Porém, para calcular o valor de um negócio, deve-se ter o múltiplo médio de outras empresas comparáveis. Isso pode ser feito a partir da análise de negócios realizados entre empresas. Dados fornecidos por Piellusch indicam que uma empresa pode valer em média de 6 a 10 vezes o Ebitda anual. Assim, para calcular o valor estimado do negócio, deve-se multiplicar o Ebitda da empresa alvo por 6 a 10 para obter o valor do negócio. É importante ressaltar que se essa empresa tiver dívidas, deve-se subtraí-las para ter o valor a pagar pela aquisição.

Por exemplo, suponha que uma empresa apure Ebitda de R$ 800 mil no último ano. O valor do negócio estaria entre:

Suponha que essa empresa tenha R$ 1 milhão em dívidas. Assim, o intervalo de valor para os acionistas (Equity) estaria entre:

O intervalo pode parecer grande, mas o múltiplo depende do ritmo de crescimento da empresa, rentabilidade, margem e outros indicadores.

Fluxo de Caixa Descontado (FCD)

A segunda metodologia é uma projeção do fluxo de caixa livre gerado, trazido ao valor presente por uma taxa de desconto, que representa o custo de capital da empresa. Essa taxa de desconto é proporcional ao risco sistemático do negócio. Ou seja, “se o risco é grande, a expectativa de retorno do negócio pode ser maior, mas a taxa de desconto também”, resume Wertz, da Excelia. Segundo ele, o FCD é a metodologia que fornece a visão mais completa e deve sempre ser considerada, mesmo em mercados mais maduros onde existem muitas transações de compra e venda de empresas.

Veja como é resolvida a equação de forma simplificada:

Legenda:

CFi = Fluxo de Caixa estimado para o período i

wacc = Taxa de retorno mínima para remunerar os sócios e credores

Com o valor do negócio, o passo final é determinar o valor para os sócios ou acionistas (Equity Value):

Na prática esse cálculo se torna difícil devido à necessidade de projetar os fluxos de caixa futuros. Esses fluxos de caixa representam o potencial de geração de caixa (EBITDA) deduzido dos investimentos necessários em capital de giro e ativos fixos (CAPEX) e impostos sobre o lucro.

De forma simplificada, a fórmula seria a seguinte:

Outro problema ocorre quando pensamos em quantos períodos devem ser projetados no futuro. A resposta é assustadora: todos até o infinito! Isso pode parecer absurdo, mas a matemática tem soluções para isso e as consultorias especializadas têm ferramentas adequadas para lidar com a incerteza. Porém, em uma situação simplificada, considerando uma taxa constante de crescimento (que pode ser o PIB, por exemplo), o valor da empresa pode ser simplificado pela fórmula a seguir:

Legenda:

Wacc = Taxa de retorno mínima para remunerar os sócios e credores

g = taxa de crescimento constante (pode ser o PIB nominal projetado para o longo prazo).

Por exemplo, suponha que uma empresa tenha um fluxo de caixa do negócio projetado em R$ 700 mil. Se a taxa média de retorno (wacc) é de 20% ao ano e a taxa de crescimento constante é 7% (PIB + inflação), o valor do negócio será calculado, de forma simplificada, por:

Se as dívidas forem de R$ 1 milhão, o valor para os sócios será:

Valor para os sócios = R$ 5.385 mil – R$ 1.000 mil = R$ 4.385 mil

Usando estas metodologias será possível ter uma ideia do valor do negócio e  avaliá-lo periodicamente.

E para aprimorar ainda mais seus conhecimentos sobre avaliações financeiras, confira como analisar o DRE e identificar manipulações.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here